Blog SOS Amazônia

Deputado quer liberar matança de animais silvestres

#Sededesangue


O Deputado Federal Valdir Colatto (PMDB-SC), um dos líderes da bancada ruralista no Congresso, quer liberar a caça profissional e comercial de animais silvestres por meio do Projeto de Lei 6268/2016. Em trâmite, o texto anula a Lei 5197/1967, que proíbe a caça profissional no país.


Seguindo com sede de sangue, no texto, Collato autoriza a criação de animais para caça esportiva, ou seja, matar por diversão também faz parte do projeto mórbido do deputado.

Ainda de acordo com o texto, animais da fauna silvestre também poderiam ser abatidos “quando o animal for considerado nocivo às atividades agropecuárias e correlatas”. A matança também estaria liberada “para os espécimes provenientes de resgates em áreas de empreendimentos sujeitos a licenciamento ambiental”.


Leia o que pensa Miguel Scarcello, secretário geral da SOS Amazônia, sobre esse projeto.

O Projeto de Lei 6268/2016, que tramita na Câmara dos Deputados, propõe liberar a caça profissional e comercial de animais silvestre. Da maneira que está fundamentado e defendido, confirma o quanto é desconhecido, para muitos parlamentares, a importância da fauna silvestre no Brasil, para a sustentabilidade, inclusive dos empreendimentos rurais.


Em um país, em que é tradição prender passarinhos nas gaiolas, e poucos cumprem as normas estabelecidas, autorizar o abate de animais silvestres é algo que causará grave impacto no equilíbrio ecológico dos biomas. Afetará a dinâmica da cadeia alimentar, prejudicando diretamente a manutenção da agricultura e o processo natural de desenvolvimento de florestas e vegetações nativas em geral.


Ganha com isso, a indústria das armas, a indústria dos agrotóxicos e todas as outra atividades correlatas.


Por esses motivos, em defesa da vida, não podemos deixar que este projeto seja aprovado. Não ao projeto de Lei 6268/2016. (Miguel Scarcello)


ASSINE AQUI
Diga NÃO ao projeto de lei 6268/2016 que autoriza a caça de animais silvestres! Mobilize-se, assine a petição!
Notícia Posicionamento