Blog SOS Amazônia
Notícia

Projeto Valores da Amazônia implanta SAFs e Viveiros em Tarauacá

A SOS Amazônia, por meio do projeto Valores da Amazônia (que tem apoio financeiro do Fundo Amazônia/BNDES) cumpre diversas atividades para fortalecimento da cadeia produtiva da borracha nativa em Tarauacá, município em que se localiza a Cooperativa Agroextrativista de Tarauacá (CAET), uma das beneficiárias do projeto.


O Valores busca levar alternativas inovadoras e sustentáveis para o desenvolvimento de nove empreendimentos amazônicos. A CAET, por exemplo, será beneficiada com a implantação de 25 Sistemas Agroflorestais (SAFs), 20 unidades de processamento e de secagem da borracha Folha de Defumação Líquida (FDL), além da construção de viveiros alternativos em comunidades indígenas.


O técnico em Agroecologia da SOS Amazônia, Paulo Ricardo, informa que mesmo com o total de 25 famílias beneficiadas em Tarauacá, muitas outras pessoas estão envolvidas nessas ações.

“Além desses beneficiários, temos ainda mais famílias dentro das comunidades que acompanham nossas atividades, que são de suma importância para o desenvolvimento ambiental da região, e ainda para a promoção da segurança alimentar”.


Os comunitários, que foram instruídos com os planos de educação ambiental, participaram de oficinas de cooperativismo, práticas de produção da borracha Cernambi Virgem Prensado (CVP) e de mudas frutíferas e florestais, e construção de viveiros.


“Cada movimento que temos dentro desse projeto é fundamental, porque ele é importante não só para nós e para as cooperativas, ele foi pensado principalmente para os produtores rurais, para que eles tenham uma melhoria em suas vidas e ganhem especializações especificas para os seus trabalhos,’’ afirma Adison Benigno, presidente da CAET.


Até o mês de fevereiro foram implantadas oito unidades de SAFs com quatro culturas de espécies como banana, graviola, pupunha e cupuaçu. Foram construídos ainda três viveiros estruturados com telas de “sombrites”, localizados nas comunidades Socó e Aldeia e outro no Polo Agroflorestal.


Adison cita que ainda existem muitos benefícios a serem estabelecidos. “Além destas capacitações que estão sendo passadas para as famílias participantes, ainda existe o fortalecimento da Agroindústria, onde, das espécies que estão sendo plantadas, daqui alguns anos já estarão produzindo, gerando resultados por muito tempo. E já temos resultados, como o dos produtores de borracha nativa que já estão comercializando os seus produtos”, destaca.


Por: Deylon Félix